Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Sem Carnaval Tradição e Folia de Rua o olhar é para 2022
Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Sem Carnaval Tradição e Folia de Rua o olhar é para 2022

Notícias

Sem Carnaval Tradição e Folia de Rua o olhar é para 2022

Este ano, por causa da pandemia de Covid-19, não teve Carnaval Tradição nem Folia de Rua em João Pessoa. No centro histórico e nos bairros, ladeiras vazias e avenidas sem decoração. Apesar disso, as agremiações e blocos não se deixaram abater e resolveram utilizar o período para refletir, planejar e buscar parcerias, com a expectativa de que em 2022, a festa seja maior e mais diversa do que era antes da pandemia.

“É difícil a gente estar falando do assunto pois desde 5 de fevereiro, que era a abertura oficial do período pré-carnavalesco, que a gente tem esse sentimento de saudade, um vazio, inclusive dentro da própria cidade, mas, ao mesmo tempo, temos uma riqueza que está no inconsciente coletivo de cada um. A gente tem visto pessoas ouvindo e cantando os hinos, relembrando, nas redes sociais, momentos importantes vividos em carnavais passados e com pessoas queridas e a gente sabe que o Folia de Rua foi responsável por estes momentos”, diz Sérgio Nóbrega, presidente do Folia de Rua de João Pessoa.

Segundo Sérgio, uma forma de ajudar as pessoas a relembrar estes momentos e trazer um pouco do carnaval para este período é por meio de exposições, que estão espalhadas no Centro Histórico de João Pessoa em lugares como o Casarão 34, a Casa da Pólvora, o Hotel Globo e a Bica.

Para tentar contornar a crise financeira por não receber os repasses para o período carnavalesco, já que não houve a festa, algumas agremiações têm tentado uma alternativa, como é o caso das ala ursas.

“Alguns grupos têm feito arrastões culturais nos bairros. Lógico que isso acontece com todas as medidas de proteção: todo mundo de máscara, uma equipe reduzida e composta principalmente de jovens. Eles passam pelos bairros, fazem sua batucada e arrecadam alguns valores que estão sendo utilizados para sustentabilidade das agremiações, já que muitos projetos são permanentes, com oficinas e ações sociais que acontecem o ano todo”, explica Dal Zapata, diretor do conselho fiscal da Associação dos Ursos Carnavalescos de João Pessoa.

Mestre Romero é presidente da Escola de Samba Malandros do Morro, a mais antiga escola do carnaval de João Pessoa e localizada no bairro da Torre. Ele tem 30 anos de agremiação e contou que fica um pouco triste por não poder desfilar e ouvir o barulho tradicional dos foliões no período carnavalesco, mas diz que entende que é preciso que as pessoas respeitem todas as medidas sanitárias para que a pandemia passe.

Segundo Romero, a escola chegou a cogitar fazer uma live no dia em que haveria o desfile, mas acharam melhor esperar um momento melhor para isso e apostaram no planejamento para o próximo carnaval.

“Após este período e, ao longo do ano, pretendemos realizar oficinas de fantasias carnavalescas, já como um pontapé para 2022. Essas oficinas vão ser destinadas a jovens e adultos da comunidade onde fica a escola de samba e vai ser muito bom. Vai dar uma injeção na construção do bloco para o próximo ano”, diz.

O Carnaval Tradição também está com uma agenda de planejamento para 2022, segundo o presidente da Liga Carnavalesca, Pedro Cândido. “Esse ano de pandemia está sendo um ano de planejamento. Estamos reorganizando o evento, promovendo uma integração entre todos que fazem o Carnaval Tradição para que no ano que vem, o desfile na Avenida Duarte da Silveira tenha mais brilho, mais emoção, do que nunca”, diz.

Além das oficinas, que vão acontecer com todos os blocos e agremiações, o presidente do Folia de Rua explica que os grupos estão buscando trabalhos de profissionalização das equipes e também outras parcerias.

“Temos que ter um olhar empreendedor, buscar abrir lojas oficiais com itens dos blocos, discutir a economia criativa do carnaval. É preciso propor que João Pessoa seja um destino no cenário nacional dentro deste período. Não só isso contribui para a cultura, mas também para as ações sociais, para o turismo e para a economia da capital”, completa Sérgio.

 

 

Fonte: G1/PB

registrado em: